A Dona do Natal – A empreendedora que vive para decorações Natalinas

Qem passa por uma das 16 lojas Cecilia Dale espalhadas pelo Brasil mal imagina que o maior desafio da empresa está numa área bem diferente do segmento de enfeites de Natal. São os planejamentos de logística que fazem a fundadora do negócio, Cecilia Dale, ficar acordada à noite.

De Norte a Sul do país, companhias, shoppings centers e diversos estabelecimentos contratam a empreendedora para cuidar de seus ornamentos e árvores de Natal. Para isso, são necessárias centenas de caminhões rodando pelas estradas carregando as peças escolhidas a dedo pela empreendedora em feiras internacionais até seus destinos.

Cecilia abriu sua primeira loja de decorações natalinas em 1980, três anos depois de se mudar para São Paulo, acompanhando o marido que havia sido promovido no emprego. Na época, ela era professora de inglês, mas andava desanimada com a carreira. “Eu sempre gostei de trabalhos manuais e comecei a fazer jogos americanos, toalhas e outras peças de artesanato para vender”, diz a empreendedora.

Os primeiros produtos criados por ela foram dados a amigos. Os seguintes foram oferecidos a lojas de São Paulo. “Quando vi, estava vendendo para 180 lojas. Tinha clientes até em Salvador!” Em pouco tempo, o nome Cecilia Dale ganhou status de grife de decoração e a fundadora passou a viajar para feiras ao redor do mundo para encontrar novos ornamentos e tendências. Então, decidiu abrir um estabelecimento próprio para comercializar suas descobertas.

O primeiro convite para fazer uma decoração natalina completa foi feito pelo Shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo, em 1999. Foi quando Cecilia percebeu que, paratrabalhar com proporções tão grandes como as de um shopping, seria preciso desenvolver um tema a ser seguido. “Faço as decorações como se estivesse contando uma história. Cada uma tem um tema, um conto que está sendo transmitido”, afirma. O shopping no coração da capital paulista é cliente da Cecilia Dale até hoje. Além dele, outros 26 estabelecimentos contam com a empreendedora para criar o clima de Natal.

Após a primeira experiência bem-sucedida, vendo um nicho de mercado que não era bem atendido, a empreendedora decidiu focar em decorações natalinas. As lojas da rede adotaram a temática e Cecilia passou a oferecer sua expertise no tema a estabelecimentos.

O fato de a empresa ser focada em uma época do ano não diminiu a carga de trabalho, garante a empreendedora. Durante o primeiro semestre, Cecilia costuma viajar para a China e outros países para participar de feiras e escolher o que trará para o Brasil. “É um trabalho pesado porque eu vejo muitas coisas e tenho de ter claro na minha cabeça aquilo que vou querer”, diz.

É por volta de outubro que a equipe da empresa quase dobra de tamanho: vai de 200 para 400 funcionários. Boa parte deles vai trabalhar na montagem das gigantescas árvores, trilhos de trem e casas do Papai Noel que quase sempre figuram nas decorações natalinas dos shoppings centers que Cecília atende. Tudo tem de estar pronto para a chegada do “bom velhinho” que irá receber as crianças e seus pedidos de presentes e movimentar a clientela dos estabelecimentos.

“Eu tenho de ter um cronograma muito pontual para conseguir terminar todas as obras a tempo”, diz. “Mas não é só por conta dos prazos dos clientes”. Em sua época favorita do ano, às vésperas do 25 de dezembro, Cecilia não quer ter de se preocupar com negócios. “Eu quero estar com meus netos e minha família. Faço tudo para ter tempo exclusivamente para eles.”

 

ceciliadale

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Danilo Carlos

Danilo Carlos

Sócio fundador da agência com mais de 18 anos de experiência no mercado de publicidade digital

All Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Marketing Digital 3.0

Relacionados

Marketing digital para 2021

Entre as diversas consequências decorrentes da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o fortalecimento do marketing digital foi notável. Isolamento social, trabalho remoto e o maior